Porto de Itajaí recebe primeiro navio da linha Ásia após retorno do serviço

Com 300 metros de comprimento e 49 metros de largura, o navio liberiano San Vicente é o primeiro da linha Ásia a atracar no Porto de Itajaí após a recuperação do serviço. A embarcação da Hamburd Süd chegou neste sábado (9) ao berço dois do porto, arrendado pela APM Terminals. A expectativa é de que sejam movimentados cerca de 700 contêineres (TEUs).

A linha estará em atividade portuária na margem direita do porto público através de 13 navios porta-contêineres dos armadores Hapag Lloyd, NYK, Hamburg Süd, ZIM, UASC e HMM. Atualmente sua conexão de rota engloba semanalmente a Costa Leste da América do Sul aos mercados da Malásia, Singapura, China e Coréia do Sul.

Com o retorno da rota aisática, a expectativa é de que os volumes movimentados no porto aumentem 20% e, a partir de abril de 2018 com a conclusão da Bacia de Evolução, possam alcançar até 40% de crescimento comparado à movimentação mensal atual. Isso porque, por enquanto, as escalas vão ser quinzenais, já que seis dos 13 navios operados pela linha têm mais de 306 metros de comprimento e ainda não podem ser manobrados no Complexo Portuário do Itajaí. Assim que a primeira fase da Bacia de Evolução for concluída, podendo receber navios de até 336 metros, o roteiro de atracações deverá ser semanal. A partir disso, mais 4 mil contêineres devem ser movimentados mensalmente pelo terminal.

O anúncio de retorno do serviço de linhas da Ásia foi divulgado no início de julho. Diversos fatores foram fundamentais para a volta dos grandes navios que compreendem a rota Ásia-Itajaí, como: mercado competitivo, eficiência na operação de cais, nível de satisfação por parte dos clientes exportadores e importadores, soluções logísticas com valor agregado para armadores e demais usuários, entre outros.

“A chegada deste navio é muito simbólica para Itajaí. Comprova mais uma vez a competência da nossa operação, amplia oportunidades de negócio para a cidade e impulsiona as atividades de comércio exterior das indústrias da região”, destaca o diretor superintendente da APM Terminals no Brasil, Ricardo Arten.


Fonte/Foto: Comunicação  PMI